FrenchSpanishEnglishPortuguese

Santarém – Cartaxo

Santarém

Uma das colinas da Cidade de Santarém

A capital do Ribatejo, é também a capital do gótico. Ergue-se sobre o rio Tejo, com um passado ilustre.

Na época dos romano, para Júlio César foi um importante centro burocrático. Para os mouros, foi a fortaleza de Xantarim – de Santa Iria, a freira mártir de Tomar, do século VII, cujo o corpo foi atirado ao rio Nabão e alegadamente apareceu na margem do rio Tejo.

Para os soberanos portugueses, que expulsaram os Mouros em 1147, foi a residência agradável, local de muitas reuniões das cortes.

Igreja do Seminário, na Praça Sá da Bandeira

No centro da cidade, na Praça Sá da Bandeira, fica a Igreja do Seminário, um edifício barroco com muitas janelas, construído por D. João IV para os Jesuítas, em 1640, no local do palácio real. O vasto interior tem um tecto de madeira pintada e ornamentações em mármore e ouro. A partir daí, a Rua de Serpa Pinto corre para sudoeste, no meio de velhos edifícios e leva-nos à Igreja de Marvila.

A igreja de Marvila, construída, construída no século XII e alterada mais tarde, tem um portal manuelino e espectaculares azulejos do século XVII. 

Interior da Igreja de Marvila
Torre das Cabaças
Igreja de São João do Alporão

A medieval torre das cabaças, com 22 metros de altura, embora muito restaurada, ergue-se em frente do Museu Arqueológico, situado na antiga Igreja romântica de São João do Alporão. O museu exibe belas peças dos períodos romanos e mouros, bem como o trabalhado túmulo de Duarte de Meneses, heróico governador de Ceuta, em Marrocos. Foi morto em 1464 durante a desastrosa campanha de Alcácer Ceguer. Diz-se que o seu túmulo contém tudo o que foi possível recuperar: um único dente.

A Rua de Serva Pinto leva-nos também à rua 5 de Outubro e ao Jardim das Portas de Sol, no local onde existiu um castelo mourisco, rodeado ainda pelas muralhas medievais e com uma vista privilegiada sobre o rio.

Jardim das Portas de Sol

No Largo Pedro Álvares Cabral, a Igreja da Graça do século XIV, tem uma espectacular rosácea aberta numa única pedra.

O templo reduz-se hoje a um panteão com mausoléus de grande valor histórico e artístico. Nele está sepultado, em campa rasa com extensa inscrição gótica, o descobridor do Brasil Pedro Álvares Cabral.

Igreja da Graça
Igreja do Milagre

A igreja do Santíssimo Milagre, na Rua Braamcamp Freire,  de construção trecentista, foi totalmente reformada no século XVI e posteriormente alterada,  tem um interior renascentista e azulejos do século XVI.

Dedicada a  Santo Estêvão, foi nela que, segundo uma lenda uma mulher foi comungar em 1266, afim de sonegar a hóstia, para efeitos de bruxedo, e a levar para a sua casa ma Travessa das Esteiras, aonde em 1654 foi edificada a ermida de Santo Estevão ou do Milagre.

Reza então a lenda que ao sair da igreja, alguns fiéis reparam que as suas roupas estavam manchadas com sangue na zona onde estava escondida a hóstia. Cheia de vergonha, a mulher foi a correr para casa e escondeu a hóstia numa arca, no seu quarto.

Durante a noite, quando dormia com o seu marido, uma luz branca e sons melodiosos saíam da arca onde a mulher tinha deixado a hóstia,

Assustados, a mulher acabou por contar ao marido o que fizera. E ambos se ajoelharam em frente à arca e aí ficaram a rezar até ao amanhecer. Após o amanhecer foram contar ao pároco da Igreja de Santo Estêvão o acontecimento de que foram testemunhas.

O padre tocou os sinos de forma a juntar a população e a informar do milagre que havia acontecido.

Ao longo dos séculos, este milagre ficou conhecido um pouco por todo o mundo e hoje o santuário acolhe mais fiéis estrangeiros, sobretudo da América do Norte e da Ásia, do que portugueses.

A igreja de Santa Cruz localiza-se na ribeira e constitui um dos monumentos escalabitanos mais representativos do estilo gótico inclui também outros elementos representativos arquitectónicos dos estilos renascentistas e barroco.

Igreja de Santa Cruz

A igreja de Santa Clara fica situada numa zona que ficava fora das muralhas e situa-se nas proximidades do Convento de S. Francisco.

É um templo do século XIII, um dos mais emblemáticos monumentos do gótico mendicante. Foi mandado construir por D. Afonso III para a sua filha D. Leonor Afonso, que aí professou.

Esta igreja fazia parte do antigo convento das clarissas. Actualmente, encontra-se rodeada de um amplo espaço, onde se encontravam as dependências conventuais, demolidas no início do século XX.

Ao longo dos séculos a igreja sofreu várias intervenções a nível de restauro e de campanhas artísticas o que leva a que a igreja hoje pouco conserve dos seus traços originais.

Igreja de Santa Clara
Igreja de Santa Clara
Igreja de São Francisco
Igreja de santa Maria da Alcaçova
Igreja da Misericórdia
Igreja de Nossa Senhora da Piedade

Cartaxo

A zona do Cartaxo foi sempre uma importante zona de passagem para o interior do país, quer por via fluvial, quer por via terrestre.

Obteve carta foral em 1312, concedida pelo rei D. Dinis.

Pontos de interesse:

  • Poço de São Bartolomeu (de construção medieval)
  • Aldeia de Palhota em Valada
  • Chafariz Municial, no Cartaxo
  • Coreto de Vale da Pinta
  • Cruzeiro Manuelino, no Cartaxo
  • Fonte de mergulho de Vale da Pinta
  • Fonte de mergulho de Pontével
  • Forno de Cal de Vale da Pinta
  • Igreja de Nossa Senhora da Purificação em Pontével
  • Igreja de São João Batista, no Cartaxo
  • Igreja Matriz, em Valada
  • Igreja Matriz, em Vale da Pinta
  • Igreja Matriz, em Vila Chã de Ourique